Paisagismo residencial: conheça a técnica de plantscaping

Apesar de dar vontade, com a rotina mais corrida, passar o dia rodeado pela natureza não é algo nada comum para quem vive nas cidades. E o paisagismo residencial, também conhecido como plantscaping, veio para deixar esse desejo mais próximo da nossa realidade.

Com estratégias bem pensadas, o plantscaping visa levar elementos da natureza para ambientes internos. Quando bem aplicado, ajuda a promover uma maior sensação de bem-estar, tranquilidade e aconchego, como se você estivesse realmente sendo abraçado pela natureza. Conheça um pouco mais sobre essa técnica e veja quais são as melhores formas de incorporar a natureza no seu lar. Com certeza, os seus dias ficarão muito mais leves.

O que é plantscaping?

Primeiramente, é importante entender o que é este conceito, afinal, o paisagismo residencial não se resume em escolher plantas de maneira aleatória – ou apenas por elas serem bonitas – e levá-las para a sua casa. Vai muito além disso!

Ele une psicologia ambiental, design, arte e dicas de cultivo das plantas. Visa valorizar o projeto arquitetônico dos ambientes ao mesmo tempo em que incorpora as plantas de maneira criativa, moderna e ideal para cada cômodo. Sempre levando em consideração, é claro, a saúde das plantas.

Se você busca por esse visual no seu projeto, veja quais são as 3 principais etapas que você precisa conhecer para aplicar o plantscaping no seu lar. Elas não são difíceis de serem seguidas, mas requerem bastante cuidado e atenção. Acompanhe abaixo!

Como funciona essa técnica de paisagismo residencial?

O processo do plantscaping é separado nas etapas de design, seleção e instalação. Entenda como elas funcionam:

Design

A primeira etapa é o momento para analisar os detalhes e minúcias dos ambientes que irão receber a técnica do paisagismo residencial. Com isso em mente, é importante observar quais são os ângulos de cada cômodo, os seus pontos focais, as suas cores, a sua iluminação, entre outros.

É a partir desse conhecimento que será possível escolher a espécie ideal para cada ambiente. Afinal, de nada adianta você adquirir uma planta que acha muito bonita, mas que precisa ficar em um lugar que receba muita luz e tenha uma quantidade mínima de umidade, se você não consegue oferecer isso a ela.

Seleção

Conhecendo bem os ambientes que irão abrigar as plantas, é hora de aprofundar o seu entendimento sobre as espécies. Estude sobre o crescimento delas, sobre os melhores adubos e, também, sobre as necessidades de luz e de umidade, já citadas no tópico anterior.

Também, é o momento de pensar nos vasos que irão compor o seu ambiente. Eles são elementos de decoração importantes do paisagismo residencial e a ideia é que combinem com os móveis e demais itens presentes no cômodo, mantendo a harmonia e conceito do espaço.

Instalação

Como o próprio nome sugere, a etapa de instalação é aquela em que você prepara tanto as plantas quanto os ambientes que irão recebê-las. O objetivo é conquistar um espaço com muita harmonia estética e que, ao mesmo tempo, valorize as necessidades de cada espécie. Para isso, posicione e instale as plantas em espaços propícios, que sejam positivos para um crescimento saudável.

Vantagens do plantscaping

Além de ser esteticamente atraente e de te aproximar da natureza, o paisagismo residencial traz outras inúmeras vantagens para os ambientes. Dentre elas, podemos ressaltar:

  • Melhora na qualidade do ar e na acústica dos ambientes;
  • Redução de calor e do excesso de umidade;
  • Maior sensação de bem-estar, tranquilidade e aconchego;
  • Estímulo à criatividade e melhora da produtividade.

Ainda, para quem vive com crianças em casa, apostar nessa técnica é uma forma de fazer com que os pequenos desenvolvam, desde cedo, uma maior empatia, consciência e cuidado com a natureza.

Escolhendo as plantas com sabedoria

Para te ajudar a fazer uma seleção das plantas que irão fazer parte do seu projeto de paisagismo, confira algumas sugestões que de espécies que se desenvolvem melhor quando estão dentro ou fora de casa, assim como as principais necessidades de cada uma delas:

Plantas para dentro de casa

  • Orquídeas: ideais para trazer mais cor e vida para os ambientes, as orquídeas podem ser encontradas em diversos tamanhos, tonalidades e formatos. Funcionam muito bem tanto na sala quanto nos quartos, cozinha ou banheiro. Porém, é importante ficar atento à iluminação que elas precisam para se desenvolverem, já que algumas espécies precisam de mais luz do que outras.
  • Samambaias: não precisando de muita iluminação para se desenvolverem, elas crescem e se desenvolvem muito bem nos ambientes internos. Com folhas em cascatas, a samambaia fica muito bonita quando posicionada em prateleiras, vasos suspensos ou estantes.
  • Espada-de-são-jorge: esteticamente bonita e exigindo poucos cuidados de manutenção, essa espécie não precisa de luz direta 100% do tempo, sobrevive muito bem em temperaturas amenas, entre 13º e 24º e não precisa ser regada todos os dias: uma rega a cada dez dias durante o inverno e uma vez por semana durante o período mais quente. Ótima para se ter dentro de casa!
  • Suculentas e os cactos: em alta, essas espécies são extremamente versáteis e podem ser encontradas em diversos formatos e tamanhos. Só é importante tomar cuidado na hora da rega, pois a terra/adubo não podem ficar muito úmidos.

Plantas para ficar fora de casa

  • Palmeiras: estilosas e remetendo à férias e ao verão, as palmeiras são uma excelente opção para serem plantada nas áreas de lazer, como ao redor da piscina ou da churrasqueira.
  • Begônias: trazendo mais cor para o ambiente, as begônias se desenvolvem de maneira mais saudável quando recebem luz direta e estão em locais com temperaturas amenas, entre 20º a 28º C Assim, o ideal é plantá-las em um local onde possam obter a luz do sol, mas fiquem protegidas de chuvas, frio e ventos.
  • Rosas: assim como a begônia, as rosas também deixam o ambiente mais colorido e pedem por cuidados semelhantes, pois precisam da luz direta do sol e de temperaturas amenas para se desenvolver.

…..

Agora você já entendeu um pouco mais sobre plantscaping e quais são algumas espécies de plantas ideais para cada ambiente. Existem muitas outras opções que você pode plantar, basta fazer uma boa pesquisa sobre o assunto ou conversar com um especialista na área. Também, além das plantas, é possível utilizar outros elementos da natureza ou que remetam ao espaço natural para complementar os ambientes que seguem essa tendência. A madeira e as pedras, por exemplo, são provenientes da natureza e ajudam a compor um espaço que segue as dicas do paisagismo residencial.

Além disso, os porcelanatos e revestimentos que contam com estampas de plantas, como é o caso daqueles encontrados nossa linha Amazonia, ou que imitam a madeira, como os da coleção Florest, também podem ser usados nos ambientes, ajudando a compor um espaço harmônico, que siga as técnicas de plantscaping. Escolha os seus preferidos e aproveite para trazer a natureza e todos os seus benefícios para dentro do seu lar.